terça-feira, 18 de maio de 2010

Anthony Hamilton - Change Your World

Em geral as músicas e poesias falam da noiva. Mas o Salmo 45 , que é um salmo messiânico, exalta mais o noivo. Porquê?



Tradução:

Eu estaria na sala da fama
A simples menção de seu nome
Se eles soubessem que eu te amei do jeito que amei
E beijos não seriam uma vergonha,quando você ama
alguém,e se apaixona existe não culpa quando tudo é
Dito e feito, e eu nunca soube, sobre essa coisa,
sim,
porque não havia pistas,oh que vergonha

[refrão]
Oh, quando você pára, e começa a se apaixonar, isso
muda seu mundo todo,você vira de cabeça pra baixo
Eu nunca soube sobre o verdadeiro amor, isso muda
todo
seu mundo, vira seu mundo de cabeça pra baixo

Devo confessar eu sou acusado de me apaixonar,Muito
antes você disse Olá, e eu disse eu faço
Era tudo novo pra mim, um mundo desconhecido, uma
beleza desconhecida, e uma cura para o blues
E eu nunca soube sobre essa coisa sim,e oh não houve
pistas, oh oh que vergonha

[refrão]
Oh, quando você pára, e começa a se apaixonar, isso
muda seu mundo todo,você vira de cabeça pra baixo
Eu nunca soube sobre o verdadeiro amor, isso muda
todo
seu mundo, vira seu mundo de cabeça pra baixo

Uma das histórias mais chocantes da Bíblia nos alerta sobre o perigo de viver na beira do precipício da corrupção espiritual e cultural




Certo homem vivia no cume de uma montanha muito alta. Por causa de um velho ferimento de guerra, ele precisava contratar alguém para descer e subir a montanha com sua filhinha todos os dias, para que ela pudesse ir à escola. Um número razoável de pessoas se candidatou ao emprego, e ele fazia uma única pergunta a cada um: “A que distância da beira da montanha você consegue chegar sem cair lá embaixo?”

Um rapaz impetuoso respondeu: “Eu consigo chegar até trinta centímetros”.

“Isso não é nada”, disse um outro. “Eu consigo chegar até quinze centímetros da borda do precipício”.

Um terceiro se gabou: “Eu chego até três centímetros!”

Durante esse tempo, um homem simples permanecia de pé, quieto no seu canto. Quando chegou sua vez, ele respondeu: “Eu não chego perto da borda de jeito nenhum. Vou ficar no caminho seguro, porque tenho amor à vida”.

Ele conseguiu o emprego.

Muitas pessoas acham que podem viver na beira do precipício da corrupção espiritual e cultural. Mas essa é uma ladeira perigosa e escorregadia para os seguidores de Cristo, pois conduz à apatia, ao pecado e à assimilação pelo mundo. A história chocante do levita e de sua concubina (Jz 19-21) alerta o povo de Deus contra essa ameaça. O conselho para o cristão é obedecer à Palavra de Deus e ficar firme no caminho que Ele traçou.

O Panorama da Desgraça

“Porém os filhos de Benjamim não expulsaram os jebuseus que habitavam em Jerusalém; antes, os jebuseus habitam com os filhos de Benjamim em Jerusalém, até ao dia de hoje” (Jz 1.21).

Um levita de Efraim tinha uma concubina de Belém. As concubinas eram esposas secundárias que, geralmente, tinham um status mais baixo dentro da estrutura conjugal. O antigo costume foi degenerando, embora houvesse leis para restringi-lo e regulá-lo (Êx 21.7-11; Lv 19.20-22; Dt 21.10-14). Jesus restaurou o plano original de Deus para o casamento (Mt 19.4-9). O concubinato, a poligamia e a manutenção de uma amante são pecados (1 Co 7.2).

Aparentemente, a concubina do levita voltou para a casa de seu pai, em Belém. Quatro meses depois, o levita resolveu buscá-la de volta. Recebido por seu sogro conforme os típicos costumes orientais, o levita permaneceu ali por cinco dias. Na tarde do quinto dia, ele e sua concubina partiram de volta para casa, indo em direção a Jebus (a Jerusalém pré-israelita). Como já era tarde, seu servo sugeriu que eles passassem a noite na cidade dos jebuseus. Mas o levita não achou seguro pernoitarem num lugar onde não havia israelitas. Assim, eles percorreram mais oito quilômetros até a cidade benjamita de Gibeá. Em Gibeá, ninguém lhes deu abrigo para passarem a noite. Essa foi uma atitude condenável dos gibeonitas, porque Deus ordenou que Seu povo praticasse a hospitalidade (Lv 19.33-34; Lv 25.35; Mt 25.35; Hb 13.2).

Um homem idoso viu os viajantes descansando na praça da cidade e levou-os para sua casa, para que pudessem comer alguma coisa e se alojar até de manhã. Naquela noite, alguns homens degenerados da cidade cercaram a casa e começaram a esmurrar a porta, gritando: “Traze cá para fora o homem que entrou na tua casa, para que o conheçamos (abusemos dele)” (Jz 19.22).

Um trípode de Ugarite (usado como apoio pela pitonisa ao proferir os oráculos), decorado com réplicas de romãs, símbolos da fertilidade

O velho saiu e disse: “Não, irmãos meus, não cometais semelhante maldade; visto que o homem já entrou em minha casa, não façais essa loucura” (v. 23). Ele chegou até a oferecer sua filha virgem e a concubina para que os homens se satisfizessem. Mas eles não queriam mulheres. Para livrar a própria pele, o levita empurrou sua concubina para fora.

Durante toda a noite, ela foi brutalmente estuprada. Ao ser solta pela manhã, ela desmaiou na porta da casa. Quando seu marido abriu a porta para sair, viu-a caída de bruços, com as mãos na soleira da porta. Sem qualquer compaixão, ele lhe disse: “Levanta-te, e vamo-nos” (v. 28). Mas não houve resposta. Ela estava morta.

A insensibilidade do levita para com sua concubina ilustra, infelizmente, alguns aspectos da sociedade moderna. A Bíblia afirma que, nos últimos dias, o afeto natural se tornará escasso (2 Tm 3.1-5). Lamentavelmente, é isso que acontece em muitos casamentos de hoje. Nem mesmo a família da fé está imune a isso.

Então, o levita amarrou no seu jumento o corpo sem vida da mulher e continuou a viagem. Chegando em casa, ele cortou o corpo dela em doze pedaços e enviou um a cada tribo de Israel. Revoltadas com aquela visão, as tribos de Israel exigiram justiça para o crime de Gibeá (v. 30).

Foi convocada uma assembléia em Mispa, no território de Benjamim. Ali, o levita contou aos líderes o que tinha acontecido, distorcendo um pouco a história em seu próprio benefício. O que disse era verdade, mas ele não mencionou a crueldade com que empurrou sua concubina para as mãos do bando. Os anciãos exigiram que os benjamitas entregassem os agressores de Gibeá para que fossem punidos. Mas os filhos de Benjamim se recusaram. Sua tolerância para com a depravação tinha se transformado numa atitude de autodefesa alimentada pelo orgulho, e essa foi a sua ruína. “Da soberba só resulta a contenda, mas com os que se aconselham se acha a sabedoria” (Pv 13.10).

Cega de raiva e irredutível em sua teimosia, a tribo se reuniu em Gibeá para lutar contra seus irmãos. Sessenta e cinco mil homens, incluindo vinte e cinco mil benjamitas, morreram em três grandes batalhas que quase aniquilaram a tribo de Benjamim. Somente 600 sobreviveram, escondendo-se durante quatro meses no deserto.

Mas agora havia um novo problema. As outras tribos de Israel tinham jurado em Mispa que nunca deixariam suas filhas se casarem com um benjamita. Depois, porém, ficaram preocupadas com a possível extinção de toda uma tribo de Israel. Os israelitas choraram amargamente diante do Senhor (Jz 21.2,6). Então, elaboraram um plano: eles encontraram uma cidade, Jabes-Gileade, que não tinha participado da guerra e a castigaram, matando todos os seus homens e mulheres, exceto suas 400 virgens, que foram capturadas e entregues como esposas aos homens de Benjamim.

Mas ainda faltavam 200 virgens. Os anciãos de Israel entraram em conluio e disseram aos benjamitas restantes que se escondessem nas vinhas de Siló. Quando as filhas de Siló saíssem para dançar na festa anual, cada homem deveria sair de seu esconderijo e raptar uma esposa para si. Os anciãos prometeram acalmar a ira dos pais e das famílias das moças.

A Bíblia encerra esse triste episódio com estas palavras melancólicas: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto” (v. 25).

A Única Solução

Antes de morrer, Josué alertou os israelitas para que obedecessem ao Senhor. Ele recordou-lhes as vitórias do Senhor sobre seus inimigos (Js 23), recapitulou a fidelidade e a bondade de Deus (Js 24) e advertiu-os para que dessem ouvidos ao Senhor, sempre fossem fiéis a Javé e não se associassem com os pagãos.

Entretanto, “foi também congregada a seus pais toda aquela geração; e outra geração após eles se levantou, que não conhecia o Senhor, nem tampouco as obras que fizera a Israel. Então, fizeram os filhos de Israel o que era mau perante o Senhor; pois serviram aos baalins. Deixaram o Senhor, Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses das gentes que havia ao redor deles, e os adoraram, e provocaram o Senhor à ira” (Jz 2.10-12).

O levita não achou uma boa idéia passar a noite em Jebus. Por quê? A cidade pertencia aos cananeus. Ele sentiu que seria melhor ficar em Gibeá. O que ele não sabia é que Gibeá tinha se “canaanizado”.

A assustadora história do levita e de sua concubina é um retrato vívido da degradação. Israel decaiu espiritualmente porque misturou os ritos idólatras dos cananeus com o culto ao Senhor. Os israelitas decaíram como nação porque negligenciaram a guerra permanente contra os cananeus. A cidade dos jebuseus deveria ter sido conquistada. Sua existência permitiu que a traiçoeira cultura cananéia se espalhasse. Além disso, tornando-se prisioneiros dessa cultura, Gibeá e os benjamitas perderam a visão de Deus.

A morte de Josué e dos outros líderes daquela época deixou um vazio na liderança espiritual da nação. É evidente que a falta de líderes tementes a Deus leva a sociedade a fazer o que há de pior. O rei Davi declarou: “Socorro, Senhor! Porque já não há homens piedosos; desaparecem os fiéis entre os filhos dos homens” (Sl 12.1). Os crentes deveriam influenciar a sociedade através de sua separação e comportamento santo. “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente” (Tt 2.11-12).

O caminho escorregadio que conduz à apatia, ao pecado e à identificação com o mundo é real. O grau em que as pessoas se deixam escravizar pela cultura mundana pode variar, mas a batalha sem tréguas entre o Evangelho e os valores e comportamentos do mundo é universal. “Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Rm 13.14). (Peter Colón - Israel My Glory - http://www.chamada.com.br)

Peter Colón é o diretor de The Friends of Israel para os estados do Sudeste dos EUA.

Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, dezembro de 2006.

domingo, 16 de maio de 2010

A mulher que alimentava

fotogarrafa


É tão estranho”, ela diz. “Passei a vida inteira batendo ponto, com horário pra tudo. Quando me aposentei, arranquei o relógio do pulso e joguei fora. Finalmente eu seria livre. Aí apareceu essa doença. Quando tive tempo, descobri que meu tempo tinha acabado”.Eliane Brum (texto) e Marcelo Min (fotos), Época.

"
Paliativo - Ailce, a mulher que alimentava - Images by Marcelo Min

Meu compromisso com a vida

Ricardo Gondim


Olho para o passado com lascas de nostalgia e pontas de melancolia. Caminhos que nunca trilhei hoje parecem bem mais fáceis. Amores que exigiram coragem voltam a me seduzir para me deixar ainda mais triste. Aventuras que nasceram de narcisismos e falsas onipotências reclamam explicações; como justificar tanto delírio? Não, não pretendo remontar passado. Desisto de qualquer tentativa de ressuscitar o que jaz sob o lajeado da decepção.
Para refazer meu compromisso com a vida, abandono o rigor de um humanismo idolátrico. Não idealizo as iniciativas ideológicas. Sei que toda instituição convive com o germe de sua própria inutilidade. Também não me prostro no altar do niilismo; descreio da capacidade humana de erguer-se pelos próprios cadarços. Meu existencialismo é frágil, carregado de suspeita. Minha religião, cheia de decepção. Minha ideologia agoniza debaixo dos escombros da modernidade.
Para refazer meu compromisso com a vida, largo na beira da calçada as metas-narrativas. Desconfio dos projetos globais. Incoerência entre discurso e prática me desesperam. A incapacidade de vertebrar o que acredito de coração me enoja. Criei cismas. Rio por dentro; é meu jeito de sobreviver aos ufanismos que tanto me irritavam no passado. Sei que preciso aniquilar os fantasmas que me deixaram com a sensação de ser um deus.
Para refazer meu compromisso com a vida, desisto de tentar levar a ferro e a fogo qualquer coisa. Erros me fizeram bem. Boas ações me arruinaram. Amigos me entristeceram. Desconhecidos me acolheram. Quando planejei, empaquei. Por outro lado, inesperadamente a vida deu certo sem planejamento. Sofri também com pecados. Paguei um alto preço por ser indolente. Mas, incrível, quando deixei para o dia seguinte o que deveria fazer hoje, foi bom.
Para refazer meu compromisso com a vida, quero ser leve como a pluma que escapou da asa do cisne, denso como o ruço que cobre a madrugada, escuro como a noite tropical sem lua, e transparente como o mar do Mediterrâneo. Hei de aprender a não discursar. Almejo ser mais enfático mas só em ternura; mais brando em afirmações. Pretendo rearrumar minha oratória. Quero voltar a olhar para o nada, como as crianças; a entrecortar frases com longas pausas, como os monges; a ritualizar os instantes, como os namorados.
Para refazer meu compromisso com a vida, espero envelhecer sem casmurrice. Acolher as doidices dos jovens, lembrando de como as minhas faziam sentido. Celebrar cada manhã como uma ressurreição. Aguardar o pôr-do-sol como uma grávida anseia pelo primeiro choro do filho. Plácido como um lago entre duas montanhas, espero encarar a morte. E que não reste nenhuma nesga de frustração em minha alma. E que eu descanse no sábado final com um sorriso maroto, sorriso de quem foi embora dizendo: valeu viver.
Soli Deo Gloria.

Free Mixtape: Young Chozen aka Blake Young “Extra Credit Vol.1″







Ruslan feat. Blame One & Braille "Domesticated" produced by Exile cuts by Shortop



Varão! isso é muito bom...

Estou Lendo

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Quanto vale um ser humano?

Fonte: arqueologiabiblica


Alguns acreditam que não passamos de um amontoado de carbono sem valor, outros acreditam que valemos mais do que pensamos. Vamos então buscar apoio da ciência para nos ajudar a valorar um ser humano e resolver esta questão.

Um bioquímico da universidade de Yale (EUA) faz a seguinte experiência: Considerando que o corpo humano consiste em 68% de água, ele então extraiu essa água de um corpo humano, obtendo assim a biomassa (peso seco) de 24 Kg e 436 gramas, para uma pessoa de 79 Kg total.

Depois o pesquisador fez o seguinte orçamento:

COMPONENTE
VALOR (R$)

1g Hemoglobina
541,50

1g Insulina
90,25

1g Tripsina purificada
68,40

Bilirrubina
22,80

DNA humano
144,40

Colágeno
28,50

Albumina
5,70

Acetato quinase
16,85

Fosfatase alcalina
427,90

Ácido hialurônico
332,50

Bradiquina (aminoácido)
22.800,00

1g Hormônio estimulante do folículo
15.200.000,00

1g Prolactina (hormônio que estimula o leite materno)
33.250.000,00


Após isso, o pesquisador considerou a proporção química destas substâncias presentes em nosso corpo através de cálculos de porcentagem, chegando a um valor médio em gramas de R$ 466,52.

Pegando este valor médio (R$ 466,52) e multiplicando pelo peso da biomassa do corpo em gramas também, ele obteve o seguinte cálculo:
R$ 466,52 x 24.436g = R$ 11.399.882,72
Portanto, a cifra encontrada foi de Onze Milhões Trezentos e Noventa e Nove Mil Oitocentos e Oitenta e Dois Reais e Setenta e Dois Centavos.
Você ainda acha que não vale nada?
Ou, você ainda aceita ouvir de alguém que não tens valor?

Krs One - The Struggle Continues, Choose Your Way (2002)



Há oito anos, quando tinha terminado o cd do Conceito Moral (grupo secular a qual eu pertencia), ouvi esse belo disco do Krs-one que o Fabinho louco comprara na galeria 24 de maio. O tema do disco, hoje, peculiar para mim: Preocupado com o espiritual - o templo do hip hop apresenta não só um rapper engajado com a política e educação dos jovens, mas um homem espirituoso com raízes cristãs.

Esse álbum não é comentado pelos críticos e chega até não fazer parte da discografia dos fãs mas, rendeu muitos frutos na banca dos rappers evangélicos lá nos EUA. Até hoje funciona uma ONG de ministers rap da qual saiu o wu tang clã do gospel "the cross moviment".
Obs.: na minha humilde opinião a melhor performance de t-boni

Estou Lendo


"Os sonhos trazem saúde para a emoção. equipam o frágil para ser autor da sua história, renovam as forças do ansioso, animam os deprimidos, transformam os inseguros em seres humanos de raro valor. Os sonhos fazem os tímidos terem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades."

Augusto Cury

terça-feira, 4 de maio de 2010

Rhema Soul - Fingerprints



1 Intro
2 Neva Lay Low
3 Fly Away
4 Champion
5 Boom Box
6 Let Me Live
7 Sky's Not the Limit ft. Eddienigma
8 Spotlight
9 Shorty's Lost ft. G-Styles
10 Why's It Gotta Be So Hard
11 Blow Your Whistle
12 My Beat Go
13 Fingerprints
14 I Hope
15 Save Me

A Arca de Noé foi encontrada? De acordo com cientistas Turcos e Chineses: SIM!

Fonte: Ciência da Criação
Postado por Hugo Hoffmann às 11:41

Dias atrás publicamos o artigo: Fragmento de madeira de 4.800 anos é encontrado no Monte Ararat- Seria a Arca de Noé? O objetivo deste novo artigo sobre o mesmo assunto é trazer maiores informações, vídeos e fotos sobre esta notícia que tem abalado o mundo cristão e não-cristão.



Figura 1 – Pesquisador Panda Lee, analisando uma parte da Arca no interior da geleira que cobre Monte Ararat (Fonte: Noah’s Ark).

Publicamos abaixo a reportagem traduzida do site do instituto NOAH’S ARK MINISTRIES INTERNATIONAL LIMITED, a responsável por realizar estas descobertas:

Enquanto procurava os restos da Arca de Noé no Monte Ararat, na Turquia oriental, uma equipe de exploração Chinês-Turco, escavou com sucesso e se aventurou dentro de uma grande estrutura de madeira a uma altitude de mais de 4.000m acima do nível do mar.

O Ministério da Cultura Turco anunciou a descoberta em conjunto com a equipe de exploração, em Hong Kong. Eles planejam apresentar um pedido para a estrutura de madeira ser incluído na Lista do Património Mundial da UNESCO.

Um acordo mútuo para o reforço da cooperação foi assinado e os membros da equipe de Hong Kong foram reconhecidos como cidadãos da honrosa província de Agri, Turquia. Em conferência de imprensa, em 25 de abril, o Cônsul Geral da Turquia, o Sr. Mehmet Karaca Raif, foi convidado para vir e apoiar as grandes conquistas da equipe de exploração no aspecto da busca da Arca de Noé.

INFORMAÇÕES GERAIS

Registros históricos que datam mais de 2.000 anos sustentam que a Arca de Noé veio descansar nas montanhas de Ararat, após o dilúvio. Os mesmos registros podem ser encontrados na Bíblia e no Alcorão. Na região local, um costume antigo foi transmitido através das gerações: “Há um barco antigo na montanha”.

O registro mais antigo da busca pela Arca de é por um cientista ocidental foi do naturalista alemão Dr. Friedrich Parrot, que escalou o Monte Ararat, em 1829. Embora ele não tenha conseguido encontrar provas substanciais para confirmar a existência da Arca, ele foi o precursor no campo – nos 180 anos seguintes, muitos cientistas e exploradores foram dedicados à busca de um barco antigo, que corresponde a registros históricos.

No entanto, o maior resultado da pesquisa ocidental em dois séculos, foi a recuperação de fragmentos de madeira em glaciar, a uma altitude acima de 4000m no monte Ararat. De um ponto de vista científico objetivo, a descoberta de madeira no Monte Ararat é encorajadora porque os cientistas afirmam que em altas altitudes as montanhas não apresentam de árvores e nenhum tipo de ocupação humana jamais foi encontrado acima de uma altitude de 3.000 metros. Estes fragmentos de madeira que foram descobertos no passado podem ter vindo da Arca.

A DESCOBERTA DA ESTRUTURA DE MADEIRA

Arca de Noé Ministries International realiza um grande avanço na pesquisa. A primeira equipe encontrou uma abertura sobre uma altitude acima de 4.000 m, escavado a geleira, encontrou e aventurou-se no interior da estrutura de madeira.

Man-Fai Yuen, um representante do NAMI disse na conferência de imprensa: "A equipe de pesquisa e eu, pessoalmente, entramos em uma estrutura de madeira no alto da montanha. A estrutura é dividida em diferentes espaços. Acreditamos que a estrutura de madeira que entramos é a mesma estrutura registradas em relatos históricos e o mesmo barco antigo indicados pelos moradores".

Os integrantes da equipe logo que encontraram a estrutura de madeira começaram a realizar estudos de campo, fazer medições e coletar amostras, com todo o processo filmado. Esta é a primeira equipe na história que documenta visualmente o interior da estrutura de madeira na montanha.



Materia Completa