Ganhar a vida. Uma história do barbeiro africano Antonio José Dutra e sua família. Rio de Janeiro, século XIX


Silvana Jeha - Revista Usp



Resumo



Este artigo versa sobre as artes dos barbeiros sangradores e músicos no Rio de Janeiro oitocentista, centrado na  história de um deles: Antonio José Dutra. O texto também esboça traços biográficos de seus herdeiros. O patriarca, “ natural do Reino do Congo”, veio escravizado para o Brasil e obteve  alforria no início da década de 1820. Em 1849, quando morreu, possuía uma barbearia, uma banda, 13 escravos e dois imóveis. Era pai de seis filhos naturais, frutos de três relacionamentos. Se por um lado, os filhos não lograram o mesmo sucesso do pai, por outro, o seu legado cultural e financeiro foi fundamental para suas vidas remediadas de negros livres numa sociedade escravista.  


Palavras-chave

Rio de Janeiro século XIX; barbeiros-sangradores; família negra; banda de música

Texto completo:
PDF
0