Ponto de vista sobre o campo de batalha

Subúrbio, periferia, o inferno da cidade, onde pessoas vivem no mais baixo nível
de cidadania, ta ligado? Não bastasse isso, vivem amontoados em barracos sem
qualquer condição básica de higiene, o córrego a céu aberto, a água escassa, a energia é
puxada por extensões malfeitas e sem proteção (os famosos gatos).
 Entra ano e sai ano e o sistema na favela continua o mesmo, claro, com algumas
adaptações. Alguns conseguem edificar uma casa, outros perdem a sua na enxurrada,
poucos progridem, muitos regridem. Estamos no lixo, mano. O palyboy estuda e o
pobre fica na rua. Enquanto estamos nos presídios, os playboys estão trabalhando e
tomando conta de todos os espaços. Já percebeu que todos os fila da puta são
intelectuais?
Os políticos diplomados e doutorados. Às vezes não precisam nem ter estudado, é
só chegar e fazer uma campanha. Com dinheiro e promessa tudo fica mais fácil, aí o
maluco fala que a favela não está só e se o ajudarem a ser eleito ele irá dar casas pra
todos e também emprego, e que todos serão felizes.
 Muito bem, enquanto isso, em meio ao campo de batalha alguns manos estudam,
correm atrás daquilo que lhes é de direito. Porque nasceram pobres têm de padecer até
o último dia de suas vidas? Ah, isso é porque eu não falei da cor que influencia pra
caralho.
 Às vezes a maré fica alta, e a favela fica embaçada. Olhos vermelho, arma na
mão, polícia subindo e descendo, morte na seqüência; assim se movimenta a empresa
que mais dá lucro aqui, a porra da droga, em que muitos manos escolheram o estilo de
vida, não porque eles quiseram, mas talvez porque foi a única alternativa.
 Uma vez, na cadeia, eu ouvi um maluco falar que fazia tudo pra levar conforto a
suas crianças, e por isso que ele estava encarcerado. Capão Redondo, pra mim, mano, é
um mundo à parte, é um país com várias quebradas: São Luís, Vaz de Lima, Capelinha,
Campo Limpo, Rosa, Sabin, Atlântico, Sto. Eduardo, São Bento, Valo Velho,
Jangadeiro, Jd. Ângela etc.
 Não temos muitas oportunidades por aqui, a não ser o tráfico, o roubo a banco, o
futebol e o pagode; fora isso você tem que se sujeitar a ganhar um salário mínimo e
esperar que alguma coisa de bom aconteça. É aí que entram os movimentos
alternativos: a leitura, o rap (que é um dos quatro elementos do Hip-Hop), e os projetos
sociais que ajudam o povo da favela.
 É foda, mano, saber que o que você ganha por ano o fila da puta que nunca passou
necessidade na vida e que não faz porra nenhuma a não ser colocar aquelas putas
mostrando a bunda na televisão ganha por minuto.
 O nome “campo de batalha” se deu porque é uma constante luta pela vida, ta
ligado? Você tem que correr atrás de um emprego pra se sustentar, tem que estudar pra
não ser manipulado, tem que ficar esperto com a polícia porque você é favelado, tem
que ter consciência pra não cair na porra da droga, tem que ter calma pra não sentar o
dedo nos nóia e uma pá de coisa que só um soldado da favela tem pra sobreviver.
 O único jeito é crer em Deus, fazendo a revolução ideológica, montar formas de
ataque, conseguindo espaço aos poucos, pois temos força sim, mano. Somos a maioria,
é só usar nossas cabeças, estudando, nos informando, esperando a virada, e quando ela
chegar, vamos dizer: Aí favela, toma conta de ponta a ponta...

Aice Man

Veja tese da Luciana Mendes Velloso
CAPÃO PECADO: sem inspiração para cartão postal
onde extrai o texto que participo no Livro Capão Pecado - Ferréz
0