Teologia “Self-Service”


A expressão inglesa self-service significa ‘servir-se a si mesmo’, geralmente num contexto de restaurante. Você tem o poder de escolher o cardápio que quiser. O que mais lhe apetece é isto que você escolhe. A teologia do servir-se a si mesmo é extremamente egocêntrica. Aliás, ela é antropocêntrica, isto é, o seu fundamento é o homem e seus interesses pessoais. Nesta teologia eu pago para me servir e também ser servido. O mais importante é fazer a minha vontade, é o que penso. Não tenho interesse no que o outro precisa, mas no que eu necessito. Esta é a pratica de muitos membros de nossas igrejas. Vivemos um tempo de egoísmo galopante. As pessoas não aceitam determinadas mensagens. Desejam se servir de mensagens que falam de coisas ‘positivas’ e ‘prósperas’. A teologia self-service tem um viés pragmático. As pessoas são seletivas e artificiais.
O principio desta teologia é que eu tenho o poder de decidir o que é melhor para mim. Não tenho interesse em mensagens que condenam o pecado e suas diversas formas. Esta teologia é volúvel. A sua sustentação é comprometedora. Ela também é eclética. Tem toda a chance de ser mística. Ela desenvolve membros de Igreja descomprometidos com a mensagem da cruz, com o evangelho de Jesus. Afasta as pessoas e trabalha fortemente o individualismo. Ela não está interessada na pregação do genuíno evangelho, mas naquilo que mais funciona para o prazer dos seus adeptos. Na teologia self-service, o que me dar mais prazer em degustar é aí que tenho todo o meu interesse. Os seguidores desta teologia mudam de igreja com muita facilidade. Há muitas igrejas que têm um cardápio variado para todos os gostos. O que importa mesmo é agradar a todos. O negócio é exercer a “política da boa convivência”.
Os que seguem a teologia self-service não têm fundamentos sólidos. Escolhem não aquilo que mais edifica, a semelhança com Cristo, mas o que dá mais prazer. Vivem mais pelo pensar e sentir do que pela fé. Há uma tendência muito forte de liberalismo como modo de vida. Os fins justificam os meios. Os judaizantes que infernizaram os irmãos da Galácia e deram muito trabalho a Paulo, eram da teologia do servir-se a si mesmo. Eles rejeitaram a suficiência da obra de Cristo na cruz para optarem pelo cardápio mais “sofisticado”. Era o cardápio da justiça própria, do mérito pessoal para a salvação. O conteúdo da suficiência de Cristo não era relevante e, por isso, agregaram ao prato outro ingrediente para complementar e trazer prazer ao paladar teológico deles. O modelo desta teologia é o “eu mesmo”. O que importa é quem sou e o que quero. Valorizo o meu desempenho pessoal. Eu sou o centro e Cristo é periférico.
Esta teologia pode ser substituída pelo serviço a Deus e ao próximo. Só podemos vencer a teologia do ‘servir-se a si mesmo’ (egocêntrica) pela teologia da cruz (cristocêntrica). A nossa felicidade não está em fazer a nossa vontade, mas a vontade de Deus em Cristo Jesus. Fomos libertos do Maligno e de nós mesmos para fazermos toda a vontade de Deus (Gl 5.1). O cristianismo autêntico tem prazer em servir com alegria e singeleza de coração. O nosso modelo é Jesus (Mt 20.28; João 13). Jesus não serviu a Si mesmo, mas a nós se entregando em sacrifício vicário na cruz (Fil 2.5-8). Fomos chamados para exercermos o diaconato, servindo às pessoas. Pertencemos ao Reino dos servos, cujo Senhor é Jesus. Ele é o nosso modelo de alguém que não pensou em Si mesmo, mas em nós. A Sua teologia era servir ao Pai dando a Sua vida por nós na cruz. É por esta razão que o apóstolo Paulo ensinou magistralmente aos crentes em Roma ao dizer: “Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum de nós morre para si. Pois, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De modo que, quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor” (Rm 14.7,8).
Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob
Pastor da Segunda Igreja Batista em Barra Mansa – RJ
Colunista do Portal: http://www.adiberj.org/portal/
pitzerjacob@gmail.com
0