Estou lendo J. J. Benítez ‘O enviado‘



magine a emoção do fotógrafo Secondo Pia, a primeira pessoa a ver o “autorretrato” de Jesus Cristo em negativo, após alguns dias da exposição do Santo Sudário na Catedral de São João Evangelista, em Turim, no ano de 1898. A história dessa “fotografia” é apenas uma das muitas pesquisadas e relatadas por J. J. Benítez, que investigou a fundo todas as informações disponíveis sobre o lençol no qual Jesus foi envolto após a crucificação. O resultado das pesquisas e a curiosidade do autor originaram um de seus primeiros livros, O enviado, publicado originalmente em 1979 e relançado agora pela Planeta (184 páginas, R$ 34,90).
Até então descrente de religião, Benítez teve sua atenção despertada pela seguinte notícia: “Uma equipe de cientistas vinculada à Nasa [...] provou, depois de três anos de pesquisas, que o indivíduo enterrado há dois mil anos em um túmulo próximo a Jerusalém, e que foi conhecido pelo nome de Jesus de Nazaré, emitiu – 36 horas depois de morto – uma misteriosa e desconhecida radiação que ‘chamuscou’ o sudário que o cobria”.
Benítez não se conformava. Como esse tecido poderia ter produzido radiação? Ele realmente fora usado para cobrir o corpo de Jesus? Tomando essas perguntas como ponto de partida, o jornalista investiga, na primeira parte da obra, uma série de questões a respeito do sudário – e chega a conclusões surpreendentes. Em seguida, reconstitui com bastante habilidade a parte final da paixão e morte do Nazareno, utilizando-se de uma técnica conhecida como “projeção mental”.
Na segunda parte da obra, lançando mão de sua especialidade jornalística (os óvnis), faz algumas investigações pessoais sobre certos acontecimentos descritos na Bíblia, como o que seria de fato a estrela de Belém (que guiou os reis magos até o local do nascimento de Jesus), quem seriam os anjos que aparecem para Jesus e o que teria realmente acontecido durante os 40 dias que o “enviado” passou no deserto. E pergunta-se, sobretudo, quem seria Jesus Cristo.
Recheada de ilustrações e fotos que ajudam a explicar as teorias de Benítez, esta ousada obra fará o leitor questionar uma série de ideias preconcebidas sobre a história de um dos homens mais extraordinários da humanidade.
O autor
J. J. Benítez nasceu em Pamplona, na Espanha, em 1946. Formou-se em jornalismo na Universidade de Navarra e é um pesquisador incansável do fenômeno constituído pelos óvnis, tema no qual se tornou máximo especialista em escala internacional.
Com mais de 60 livros publicados, é autor da consagrada saga Cavalo de Troia, publicada no Brasil pela Planeta. Em julho de 2002, esteve às portas da morte. Diz que continuará viajando e investigando enquanto seu “Deus favorito” quiser. Mora na Espanha junto ao mar e à esposa, Blanca.
O enviado
Autor: J. J. Benítez
Editora: Planeta
Páginas: 184
Preço: R$ 34,90
0